Scifiworld

Crítica a "I Kill Giants"

el  quinta, 26 julho 2018 12:00 Escrito por 

I ain't afraid of no giants!

É incrível como do nada surgem modas no cinema. O terror é o menino bonito porque dá um retorno fabuloso do investimento. O resto do fantástico é apreciado se apelar ao público Young Adult e for baseado em livros. Quando soube que vinha aí uma adaptação de “I Kill Giants”, honestamente esperava algo na onda de “I Am Not A Serial Killer”. Só que o cartaz oficial apresenta-se como “dos produtores de Harry Potter” o que significa que estavam a tentar posicionar esta produção independente como um blockbuster para jovens. É verdade que Chris Columbus se associou ao projecto desde uma fase empbrionária, mas seria esta novela gráfica material para um filme de grande público? A resposta curta é não, mas já lá vamos.

Barbara vive com os irmãos numa pacata vila americana. Não tem muitos amigos, mas assim não a distraem da sua tão importante missão: proteger o mundo dos gigantes. Enquanto a irmã, os professores e colegas a veem como uma aberração, Barbara não quer saber deles, só quer estar preparada para quando tiver de desembainhar o machado de guerra e matar as criaturas que se alimentam de humanos incautos. Até que chega uma simpática rapariga de Leeds e acha que Barbara deve ser sua amiga, descarrilando os planos de toda a gente.

Este magnífico filme coming of age não é sobre escolas de feitiçaria. É sobre uma rapariga que tenta conciliar a sua horrível vida real, com um mundo de fantasia cheio de perigos e emoções. Segue as pisadas “Mr Babadook” com um toque de “Troolhunter”. Deixa-nos na dúvida sobre a realidade da sua ilusão e usa efeitos especiais para mostrar monstros imponentes. O elenco está recheado de talentos adultos como Imogen Poots e Zoe Saldana, mas o foco está nas estrelas em ascensão, Madison Wolfe (Trumbo, The Conjuring 2, Cold Moon) e Sydney Wade (Una). São elas que monopolizam o filme e por momentos deixamo-nos levar pela sua imaginação. Ora se um toque de terror é perfeitamente plausível em filmes para o público infantil como vimos há alguns anos nos Narnia, “The Spiderwick Chronicles” e “Bridge to Terabithia” entre muitos outros, quando a temática se torna mais adulta e negra, não é fácil. Ser a mente de uma criança a criar todos aqueles monstros é desconfortável para o espectador. Por isso é tão difícil dar uma classificação etária. Dizer que é para maiores de 12 é justo, mas não parece correcto. A angústia de Barbara é tal que não se quer sujeitar jovens como ela a essas emoções.

O argumento de Ben Kelly (de "Ben 10" e várias produções Marvel) é convincente e foi uma boa adaptação do material original para cinema. O realizador tem uma boa estreia nas longas e consegue extrair muito talento do elenco jovem, ainda que desperdice o elenco adulto. Também tecnicamente o filme está bem superior ao que o orçamento faria supor. Tem uma cena que precisava de uma localização diferente, mas a maioria ficou onde precisava, com os actores e os efeitos certos e os gigantes estão bem enquadrados no seu ambiente. Podiam ser mais assustadores, mas chegam para o público jovem. No seu todo é um filme interessante que incomoda e por isso dá a impressão que podia ser melhor. Mas o que se pode fazer quando a vida, o mundo e os monstros que o habitam se uniram para nos tramar?

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.

Mais Vistos

 

C/ Celso Emilio Ferreiro, 2 - 4°D
36600 Vilagarcía de Arousa
Pontevedra (España)

Redacción: 653.378.415

info@scifiworld.es

Sobre Scifiworld

Copyright © 2005 - 2019 Scifiworld Entertainment - Desarrollo web: Ático I Creativos